Poço das Esmeraldas

Guia de Cachoeiras: Chapada dos Veadeiros

A Chapada dos Veadeiros é quase um parque aquático com tantas cachoeiras deliciosas e de fácil acesso. Mas quais são as mais bonitas? Quais devo priorizar quando for pra lá? Essas perguntas frequentes se transformaram num guia das cachoeiras para conhecer por lá, baseado, claro, na minha opinião sobre os melhores lugares.

Ah, leia esse mini-guia com carinho e leve em consideração que eu gosto de gastar pouco e de lugares menos tumultuados. E pra quem não sabe, fica o aviso: a maioria das cachoeiras por lá são pagas, exceto aquelas dentro da área do Parque Nacional.

Outro ponto essencial é que nas duas vezes em que estive lá (2015 e 2017) fui em Julho, ou seja, na época da seca.

-> Quer escolher aonde ficar por lá? Leia aqui!

– São Jorge

Apesar de não ser cachoeira, uma parada obrigatória na Vila de São Jorge é a antena pra ver o pôr do sol! É uma antena de telefone mesmo, mas podem ficar tranquilos que é bem de boa subir lá (a não ser para quem tem medo de altura). Para chegar, basta ir em direção ao Parque e pegar o caminho da esquerda: são uns 35 minutos andando. 

Cachoeiras do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros:

A entrada do Parque fica na Vila de São Jorge. Lá dentro existem quatro trilhas principais, sendo que as mais conhecidas são para Saltos/Corredeiras e Canios/Carioquinhas. As duas têm uns 5 km (10 km ida e volta) e são relativamente tranquilas por serem, em grande parte, planas.

Saltos I e II surpreendem com a imponência da queda d’água, mas não dá para chegar perto para nadar por perigo de afogamento. Isso é sério, temos que respeitar os limites impostos pelo Parque! Depois de Saltos, dá para seguir até Corredeiras e curtir aquele fim de tarde relax. Fazendo a trilha nesse sentido (Saltos e depois Corredeiras) fica bem mais fácil, porque você pega menos subida voltando.

Cânions não consegui visitar, mas sei que é legal para quem curte dar uns pulinhos de pedras altas (não é minha praia, sou meio medrosa, hehe). Carioquinhas é perfeito pra relaxar! Tem muito poço de água pra nadar e bate sol o dia todo, uma delícia.

A Travessia das Sete Quedas foi algo que ficou na minha lista pra uma próxima vez… Pelo que me informei são 23 km divididos em dois dias, com pernoite no Parque na primeira noite em um lugar estruturado para acampar. Dizem ser um cenário deslumbrante e uma noite muito estrelada (tenho queda por céu estrelado, admito). Para fazer o trekking é necessário pagar uma taxa aqui.

Cachoeiras próximas a São Jorge:

Outras opções próximas à São Jorge são a Morada do Sol e Raizama. Apesar de serem gostosas para relaxar, acho que a Chapada oferece muitas opções melhores… Se não tiverem com tempo e dinheiro sobrando – cada uma custa R$ 20 para entrar –, essas eu diria que dá pra pular.

Encontro das Águas é um lugar depois de São Jorge só para relaxar e nadar muito! São dois rios que se cruzam e formam tipo uma praia para passar o dia e custa R$ 20. No mesmo caminho existem as águas termais do Éden, que também são pagas e a lá gourmet, com uma estrutura voltada totalmente pro turista. 

Cachoeira do Segredo é um espetáculo à parte. Ela fica depois de São Jorge, pegando a estrada de terra e custa R$35. Confesso que o que eu mais gostei foi a trilha em si (7km desde a porteira até o Segredo, mas dá pra cortar caminho com o carro), que você cruza vários rios e mergulha em poços da cor esmeralda pelo caminho. A cachu tem uma queda de 100m, mas um poço que quase não bate sol. Foi a água mais gelada que já entrei na vida – juro, juradinho. A placa “Cuidado, risco de câimbras e afogamento” já fala por si…

Cachoeira do Segredo

– Cachoeiras na estrada entre Alto Paraíso e São Jorge

O Vale da Lua é caro (R$25), mas vale muito a pena conhecer! Fui uma única vez, o suficiente pra sair de lá muito energizada. 

A Fazenda Cordovil é uma das minhas preferidas na Chapada! Apesar de ter que pagar R$20 para entrar (conseguimos baratear pra R$15 na negociação), temos direito a três lindas paradas: a Cachoeira do Rodeador com um poço no final dela; o Poço das Esmeraldas (coisa mais linda que já vi) e a Cachoeira do Cordovil (última da trilha). 

São Bento e Almécegas tem entrada pela Fazenda São Bento (à esquerda na estrada para quem vem de Alto e à direita para quem vem de São Jorge). Só que vá preparado: a entrada para as três cachoeiras é bem salgada (R$30), sem chance de negociação. Agora, para quem não quer pagar a entrada, tem um caminho alternativo até lá, que eu explico melhor aqui.

Poço das Esmeraldas
Poço das Esmeraldas

 

Poço Encantado eu não fui, mas é um lugar para ir passar o dia, pegar um solzinho. Na volta ainda dá pra parar no Rancho do Waldomiro, ainda na estrada, e bater um daqueles PFs bem caseiro, que dá para dividir e custa R$35. E para quem curte, o lugar tem várias opções de licores à base de cachaça deliciosos! 

-Cachoeiras em Alto Paraíso

Não é só a cidade de Alto que é mais estruturada: a maioria das cachoeiras por lá costumam ter uns deques e uma estrutura mais “urbanizada”. Não é tanto minha vibe, mas algumas são bem procuradas. Vou deixar anotado para quem quiser se aventurar: Loquinhas, Cachoeira dos Cristais… Custam, em média, R$ 20.

Saindo de Alto em direção à Brasília, você vê uma placa à direita apontando para a Catarata dos Couros. Se quiser saber mais, ela é tão especial que tem um post exclusivo.

Ainda nessa direção sentido Brasília, à esquerda, antes de chegar na placa de Couros, tem um banner imenso apontando a entrada para o circuito de Macaquinhos. Eu nunca cheguei a ir, infelizmente. Dizem que é quase um parque aquático com cachoeiras de cores clarinhas e esverdeadas! Ah, em Julho de 2017, a estrada de terra que leva até lá estava em péssimas condições (em certo trecho só passava 4×4), portanto é melhor se informar quando estiver por lá. Custa R$35.

Anjos e Arcanjos é uma cachoeira um pouquinho depois de Alto Paraíso, no sentido Moinho. Você pega uma estradinha de terra até lá, mas super de boas. Custa R$10 e é uma das minhas preferidas da Chapada. Em Arcanjos bate sol o dia inteiro e não costuma ter muita gente! #peitinhoslivres. Trilha de 1,5 km, suavíssima.

– Cachoeiras em Cavalcante

A tão esperada e famosa Santa Bárbara fica na comunidade Kalunga e é um dos maiores atrativos da Chapada! Junto com ela, as pessoas também costumar ir na Cachoeira da Capivara. Tem que pagar R$35 pelas duas cachoeiras e ainda R$70 obrigatórios para um guia Kalunga. O valor do guia pode ser dividido entre um grupo grande. Nos unimos a outro grupo e pagamos só R$10 cada um e isso ainda ajuda o turismo local/comunitário.

Para quem quiser e tiver tempo, deve ser uma experiência foda poder dormir nos Kalungas e entender um pouco mais de medicina natural e tantas outras coisas incríveis que eles fazem a partir da terra.

O complexo de cachoeiras do Rei do Prata foi um dos que não consegui visitar. Mesmo assim, ficou guardado como um lugar especial e único no meu coração. Além de ter águas claras, lembrando Santa Barbara, é super vazio. O problema?  O acesso difícil! São 60km numa estrada de terra até o lugar que começa a trilha. Depois, são mais 7 km de caminhada num percurso que dizem ser um pouco íngreme! 

A verdade é que não importa o roteiro que você vai fazer ou qual cachoeira vai escolher, a Chapada dos Veadeiros é um lugar pra lá de especial! Espero que o post tenha sido útil e, qualquer dúvida, pode jogar nos comentários que respondo rapidinho.

2 comments
  1. Boa noite. Você indica contratar um guia particular ou um guia na comunidade Kalunga? Qual sai mais barato?

    1. Olá Thaynara, recomendo pegar um guia na própria comunidade Kalunga. Isso incentiva o turismo comunitário e lá eles são muito atenciosos e sabem muito sobre a terra. Caso não tenha carro para chegar até Cavalcante, você pode conseguir fechar um transporte até lá ou tentar a sorte na carona 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *