As famosas linhas de Nazca: o que fazer

As Linhas Nazcas estão localizados no deserto de Nazca, se estendendo entre as cidades de Nazca e Palpa, nos Pampas de Jumana. A civilização nazca é uma cultura pré-inca que se desenvolveu no sul do Peru, entre 200 a.C. e 600 d.C., sobrevivendo ao clima desértico com a construção de aquedutos e sistemas de irrigação sofisticados à época.

Como chegar?

-De Cusco

Desde Cusco, pegamos um ônibus da empresa Excluciva. As poltronas viravam camas 180º, altamente recomendáveis para duração de uma viagem de 14 horas de ônibus até Nazca. A Cruz del Sur também oferece boas opções. De qualquer forma o melhor horário é sair por volta de umas 16 hs para chegar em Nazca pela manhã cedo. As passagens de ônibus custam entre 60 e 160 soles peruanos, dependendo do tipo de assento a ser escolhido.
 
*Ah, as companhias de ônibus não vendem esses trechos online, mas na rodoviária é só informar que você quer ficar em Nazca. Eles passam por lá para ir a Ica e Lima (as pessoas vão todas no mesmo bus).

– De Lima

De Lima, a viagem dura em torno de 6 horas. Diversas linhas fazem o trecho, no mesmo esquema de quem vai de Cusco. Ou seja, é apenas uma parada no caminho de ônibus que segue para outros destinos, como Cusco ou Arquipa. O preço é mais barato, considerando que é mais perto que o trecho citado acima. Não tem esse destino online, pois a cidade de Nazca não tem rodoviária.  
 
Então, tenham em mente algum restaurante ou praça para ficarem parados, ou vocês serão alvo de golpe, como aconteceu comigo, haha. Sim, eu disse golpe. Um “agente de turismo” espertalhão fica no lugar que os ônibus param para oferecer abrigo no seu hostel para os turistas. Lá ele também oferece os passeios (de avião ou terrestre) para ver as famosas linhas de Nazca. Quase te obriga a fechar com ele, depois de ser tão solícito. O problema é que não tínhamos dinheiro para fechar o passeio de avião, que tem preço tabelado, então pagamos para ver as linhas de torres pelo triplo do preço geralmente cobrado.
 
 

O que fazer em Nazca?

Sinceramente? Mesmo? Só as linhas de Nazca, haha. E, na minha opinião, se não tiver com dinheiro para fazer o sobrevoô, não vá. Dos observatórios terrestres conseguimos ver só um desenho de fato e algumas linhas. Por conta do golpe, custou 120 soles peruanos para cada um, mas o passeio terrestre cotuma ser em torno de 80 soles.
 
O avião tem preço tabelado. Em baixa estação costumam cobrar entre 80 e 90 dólares; na alta costumam cobrar entre 120 e 150 dólares!
 
Se sobrar tempo, visite o Museu Maria Reiche, a grande pesquisadora sobre os mistérios das linhas de Nazca. Ela estudou as figuras e linhas fazendo medições e interpretações delas desde a época que não eram protegidas. Antes ocorria a destruição de muitas delas por serem rotas de carros. No começo, ela não recebia apoio algum, o que fez sua jornada solitária ainda mais árdua. No entanto, como mulher forte, enfrentou grandes críticas e conseguiu apoio para proteção da área. Em 1994, as linhas de Nazca foram declaradas Patrimônio Mundial pela Unesco.
 
A teoria mais difundida acerca desse patrimônio mundial, começada por Kosok e defendida por Reiche, é que as linhas e desenhos representam um calendário astronômico. Alguns outros pesquisadores falam que as figuras são partes de rituais antigos. Há, também, quem defenda que são atuações de forças extraterrestres. Os maiores desenhos são o macaco (90 metros), o lagarto (188 metros), o pelicano e o condor (135 metros cada um), as quais só são vistas com o sobrevoo.

Aonde dormir?

Não vale a pena. Melhor só passar o dia, mas existe uma praça principal com hoteis ao redor, para os interessados.
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *